Aos pés

É possível convidar patrão para padrinho de casamento, porém tem de haver forte razão afetiva, pois, do contrário, o empregador vai pensar que o noivo ou a noiva quer aumento.

Aos pés

Recebendo os cumprimentos na fila da recepção, não é pertinente os noivos agradecerem presentes aos doadores. O agradecimento deve ser deixado para depois, na volta da lua de mel, quando aproveitam também para oferecer a casa onde residirão.

Aos pés

Na fila de cumprimentos de um casamento, não se deve beijar a mão da noiva, nem o rosto, deve se limitar ao “aperto” de mão, que não seja muito vigoroso.

Aos pés

Casal de amigos separados pode ser convidado pra casamento, que é uma festa grande, onde eles terão plenas condições de evitar o encontro indesejado.

Aos pés

Não é correto noivo usar jaquetão, sendo bem mais pertinente o dois botões ou, no caso do meio-fraque, um só botão.

Aos pés

Dentro da norma mais restrita, só os noivos deveriam entrar pela porta principal da igreja. Porém, já que isso é muito difícil de fazer cumprir, sou contrário a que se feche essa entrada, para ensejar que só os casantes a usem, tornando o ambiente muito sombrio.

Aos pés

Padrinhos ou meros convidados abastados podem perfeitamente presentear os noivos com dinheiro. Agora, a única oferta que não pode ser feita é o quarto dos nubentes, que aí caberá exclusivamente ao casante.

Aos pés

É cafona, eu diria mesmo cafonérrimo, noivo usar relógio no altar. A não ser que fosse de algibeira, que não se usa mais, pois ninguém casa de casaca ou fraque, quando muito, de meio-fraque, criado pelo alfaiate brasileiro De Cicco.

Aos pés

Se eu fosse presentear protagonistas de um casamento, daria um quadro, sobretudo porque ninguém costuma fazê-lo.

Aos pés

Noivos deixarem lista de presentes em determinadas lojas não é uma atitude unânime. Muita gente se posiciona contra, pois não deixa de ser uma indução de que a oferenda seja obrigatória. Como na realidade não é, pois vai depender da vontade e do bolso do convidado para a cerimônia.