Apanhado político

Em termos parlamentares, o Ceará deu dois revolucionários de 1964, Fernandes Távora, pai de VT, que em final de mandato, no Senado, atacou o governo de Goulart, que cairia mais de um ano depois, e Armando Falcão, que participou ativamente das articulações, sendo um dos informantes do general Castello Branco.

Apanhado político

Leonel Brizola, em quem, a pedido do meu particular amigo Moysés Pimentel, votei para Presidente da República, e a meu ver teria ido bem, naquela eleição que, no segundo turno, deu Collor contra Lula, teve 300 mil votos para deputado no Rio de Janeiro, sendo ele, como se sabe, gaúcho. Aconteceu em 1962, portanto, há mais de 50 anos.

Apanhado político

Em sua primeira eleição, para Governador, em 86, os avaliadores de Tasso, colocados em casa esquinante da Santos Dumont com Nunes Valente, que pertencera à família Machado, davam derrota em Juazeiro, terra do concorrente Adauto Bezerra, por 30 mil votos ou até um pouco mais. Essa diferença foi diminuindo, diminuindo, diminuindo, e Jereissati acabou ganhando por 48 sufrágios, o que foi considerado uma de suas maiores vitórias.

Apanhado político

Carlos Lacerda, quando alguém especulou que ele não estava “por dentro” da Revolução de 64: É verdade, havia coisas que não me contavam e havia coisas que eu não queria saber.

Apanhado político

Bastante empacado pela Revolução de 64, na qual não acreditou, até mesmo porque era amigo pessoal do presidente João Goulart, Virgílio Távora tirava de letra e, permanecendo altaneiro, utilizava a seguinte frase: Humildade perante os fatos.

Apanhado político

Dona Olga Barroso rompeu com Virgílio Távora logo no dia da posse, sendo motivo é que o novo Governador pôs o engenheiro José Lins como secretário e creditou à cota de Parsifal, quando a ligação era muito tênue, pois se tratava do cunhado Francisco José Studart, que havia se tornado genro do Governador que estava saindo e o fiador da União Pelo Ceará, que levou VT ao Palácio da Luz, em 1962. Dona Olga não compareceu ao banquete, e como era ela quem tinha o mapa das autoridades, fui chamado às pressas, e ainda consegui, no final de tarde, fazer o meu melhor. Parsifal foi ao Náutico sozinho.

Apanhado político

Ambos com oito mandatos, Paes de Andrade e Furtado Leite se igualam como os cearenses mais vezes deputado federal. O desempate vai depender do critério adotado, Paes, a princípio, ganha, porque foi Presidente da Câmara, enquanto Furtado chegou apenas a Secretário. Agora, Leite teve os seus mandatos seguidos, já Andrade ficou de fora uma vez, do meio pro fim da caminhada legislativa.

Apanhado político

Para enfrentar Paulo Sarasate, na eleição de Governador, em 1954, Armando Falcão exigiu que seu partido, PSD, o registrasse também para a Câmara Federal. Perdeu pro Governo (até hoje tem quem diga que ganhou), porém se elegeu deputado, e aí deslanchou, primeiro como líder da maioria de Juscelino, e, depois, como todo-poderoso Ministro da Justiça.

Apanhado político

Ficou nos anais especulação que o professor Parsifal Barroso disputou a eleição de 1958, pra Governador, querendo perder. Pretendia continuar ministro ou voltar ao Senado, onde ainda teria quatro anos. Sabia das precárias condições do Estado e que não teria maioria na Assembleia. A grande seca o elegeu.

Apanhado político

Moisés Lupion, considerado político mais corrupto do País, tanto que “lupion” virou sinônimo de roubalheira, para se ver livre das grades, candidatou-se ao mesmo tempo a senador, deputado federal e estadual, ensejando o paranaense lhe dar uma lição, perdeu nos três.