Bola rolando

Na conversa que mantive com Obdulio Varela, em sua casa de Montevidéu, ele desmentiu que, ao sair do túnel do Maracanã, no jogo final de 1950, teria feito pipi nos jornais cujas manchetes apontavam o Brasil campeão. Disse que, pouco antes, embaixador uruguaio tinha feito discurso para os jogadores, pedindo bom comportamento em campo, que o vice-campeonato já era bastante para o seu país. Quando ele foi embora, Obdulio proclamou para os colegas: Conversa fiada, seremos 11 contra 11.

Bola rolando

O Flamengo teve dois tricampeonatos de mais que discutível validade, o de 42, 43, 44, quando o autor do gol da vitória, Valido, teria empurrado o médio vascaíno Berascochea, e na partida final, contra o América, 53, 54, 55, o troglodita Tomires botou o craque Alarcon pra fora de campo ainda no primeiro tempo, é preciso saber que no jogo anterior, pela melhor de três decisivas, América goleara de 5 x 1.

Grandes

Futebolisticamente falando, meu maior momento não foi nem a primeira vez que vi Pelé jogar, em pleno Maracanã, nem tampouco as duas Copas que assisti al vivo, Espanha, que merecíamos ganhar, e Argentina, quando terceiro lugar foi muito, para o futebol chinfrinho que o time de Cláudio Coutinho apresentou. O pique foi quando, com o amparo da Secretaria de Turismo de Montevidéu, entrevistei a maior figura do Mundial de 50, Obdulio Varela, em sua modesta casa do subúrbio, onde mal pôde me oferecer um reles martini.

Bola rolando

A crônica brasileira proclamou que o Brasil foi Campeão Moral da Copa de 78, na Argentina, por sinal, uma das duas que vi pessoalmente. Acontece que não se encontra na Fifa tal título, que me pareceu mais choro de mau perdedor, até mesmo porque foi uma das piores seleções, quando Zico, grande no Flamengo, estreou pifiosamente, só fazendo um gol, e ainda de pênalti. Espalharam que o Peru tinha facilitado pra Argentina chegar aos seis, só que não precisava, bastavam quatro.

Bola rolando

Seleção, das cinco copas amealhadas, temos de tirar a primeira, na Suécia, quando a França, o melhor time, jogou um tempo com dez, a do Chile, quando a Espanha foi garfada, tendo um gol legítimo anulado e um pênalti não marcado, e o circo armado pelo Havellange, nos Estados Unidos, quando a decisão foi por pênaltis, que não faz parte da nossa cultura futebolística.

Bola rolando

Quando estreou no Boca Juniors, onde por sinal não brilhou, o mais clássico de todos os centroavantes brasileiros, Heleno de Freitas, declarou, depois, que toda vez que fazia um gol, Evita Perón, então Primeira-Dama da Argentina, que estaria no estádio, lhe mandava um Peso, certamente o craque já estava soltando as marchas, pois um Peso não valia simplesmente nada, não compraria um bombom.

Bola rolando

No minuto final do jogo com o Uruguai, em 1950, o Brasil perdendo de 2 x 1, mas se empatasse seria campeão, Friaça se preparava para bater, e pouca gente no Maracanã reparou que o excelente juiz inglês George Reader, ao autorizar a cobrança, virou as costas para o campo, significando que só valeria o toque, quando a bola chegou ao gol uruguaio, nada mais contava.

Bola rolando

João Saldanha, que não era lá muito amigo da verdade, e se dizia comuna, espalhou que o grande presidente Médici teria pressionado para convocar o atacante Dario, perdeu uma ótima oportunidade de ficar calado, pois o general não apreciava o futebol de Dario, preferindo jogadores mais clássicos, e, além do mais, gostava do jeitão abusado do Saldanha.

Bola rolando

João Saldanha, que classificara o Brasil para a Copa de 1970, antes que o Mundial começasse, perdeu o caminho de casa, cometendo uma série de contravenções. Havellange, então presidente da CDB, convocou a imprensa para importante comunicação. E foi logo dizendo: “Chamei os senhores para dar conhecimento de que a Comissão Técnica foi dissolvida”. Saldanha interveio: “Olha aqui, Havellange, quem se dissolve é sorvete, e eu não sou sorvete pra ser dissolvido, você está querendo dizer é que eu estou demitido”.

Bola redonda

Na Copa de 62, quando Brasil conquistou imerecidamente o bicampeonato, no último jogo da primeira fase, a Seleção jogava muito mal, com Gilmar inseguro, e defensores Mauro e Zagallo sem conseguirem se entender, a Espanha ganhava de um e teve um gol injustamente anulado e um pênalti de Nilton Santos não assinalado, havendo fortes indícios de que a CBD comprara o juiz chileno Sergio Bustamante.