Mestre Marcelino

A maior autoridade brasileira em etiqueta social estabeleceu: Não cochiche quando houver mais pessoas na roda. Falar ao ouvido de alguém, excluindo os outros, é indelicado. Se quiser dizer algo a um amigo e não deve ser ouvido por outros, espere a ocasião oportuna.

Comportamento

Face proliferação de hotéis e pousadas, pouca gente se hospeda em casa de parentes ou amigos quando viaja. Porém, se acontecer, não deve tomar iniciativa de fechar a porta do quarto à chave, os donos da casa é que, se quiserem, poderão sugerir essa providência preventiva.

Lugares proibidos

Um cavalheiro não deve beijar a mão de uma dama dentro de uma igreja ou de um ônibus, numa loja, na praia ou piscina ou em rua muito movimentada.

Comportamento

Os donos, gerentes e maitres de restaurantes devem olhar pros sapatos dos garçons, têm de estar sempre limpos e lustrados.

Mestre Marcelino

Papa brasileiro do Bom Tom, Marcelino de Carvalho, escreveu: No caso em que o arroto não possa ser contido, quem o cometeu deve escusar-se em voz baixa, e os companheiros de mesa devem fingir que não perceberam o que se passou.

Comportamento

Se, numa roda, alguém grifa seu nome erradamente, não o corrija, deixe passar, que logo ele descobrirá o certo.

Comportamento

Ninguém vai à sua casa para conviver com seus parentes, portanto eles devem ser convidados apenas para casamentos, batizados, bodas e formaturas, deixando os amigos prevalecerem no dia a dia da programação social, quer dizer, almoços, jantares e coquetéis.

Comportamento

Entrando no consultório, paciente não estende a mão ao médico. Agora, se o doutor estende a dele, terá de ser honrada, pois não se pode permitir que fique abanando a mão de quem está procurando melhorar a nossa saúde.

Comportamento

Infelizmente, os restaurantes da cidade só trocam a toalha quando cai comida ou derramam algum líquido em cima. Acontece que não é bem assim, o correto é trocá-la desde que tenha sido ocupada, sujando ou não. Basta que alguém tenha posto suas mãos sobre ela.

Comportamento

Ah, como eu não queria assim, uma mulher no clube refastelada em cadeira de balanço, de sandália japonesa, chupando picolé, vendo novela na televisão.