De caridade

Micoses: Arruda, que contém óleos voláteis e alcalóis e age também contra sarnas. Aplicar nas unhas 30g de folhas secas para 100mL de álcool e 500mL de água fervida. Macerar e deixar por uma semana. Mergulhar as unhas no líquido e deixar penetrar por baixo delas três vezes ao dia.

Do coração

José Maria Vidal morava no Rio e, via seu maior amigo cearense, Adrísio Barbosa Câmara, aquiesceu em me hospedar. É único irmão vivo de Dagmar Pontes, Yolanda Queiroz e Zilmar Marcílio, pois o outro, que recebera o nome do pai Luiz, partira aos três anos. Zemaria, além de me receber, me emprestou dinheiro e até roupa, pois eu iria almoçar com o Ibrahim Sued no Copa. Hoje, está no céu.

Do coração

Aliatar Bezerra foi um dos meus primeiros amigos. E me adiantava dinheiro para receber por onde eu trabalhava. Certa vez, lhe mandei um bilhete pelo Maurício Xerez, que me secretariou, durante algum tempo, na Torre do Iracema, dizia: “Aliatar, mande 300 mil ou um revólver.” Ele fez um cheque de imediato, contra uma cooperativa, porém o gerente alegou falta de fundos, mas sugeriu passar no final da tarde. Foi o que o Xerez fez e então o cheque foi honrado. Dias depois, o Orlando Falcão me contou que o Aliatar tinha lhe pedido certa quantia para cobrir um cheque. Exatamente os meus 300. Essa de me emprestar um cheque sem fundo, ou melhor, de pedir emprestado pra me emprestar, é uma prova de afeto e solidariedade das maiores que podem existir.

Do coração

Jonas Carlos, três vezes deputado, esteve sempre do meu lado, eu digo em termos granoides, me adiantava dinheiro, prestigiou a roda lá de casa, visando aumentar barato, e até me concedia bilhete grátis da Loteria, que eu mesmo desisti de mandar buscar, porque não tirava nem pra pagar o preço do empregado do Cassino do Ideal que ia à Rua Edgar Borges buscar.

De coração

Eduardo Tapajós, dono do Glória, foi espetacular em minha vida no Rio, pois, sem me conhecer, abriu seu hotel, onde fiquei alguns anos sem pagar a diária, e depois sem pagar absolutamente nada. Meu companheiro de boca livre era, nada mais, nada menos, o futuro presidente José Sarney, que eu encontrava no elevador.

Chá de caridade

Todo cidadão que pretenda ter um lugar no céu tem de praticar obrigatoriamente, pelo menos, um ato de bondade por dia, seja em dinheiro, roupa ou um mero prato de comida.

Fala o criador

“Bisturi Afiado” foi batismo deste repórter ao grande cirurgião cardíaco Dr. Glauco Lobo.

Jamais te esquecerei

Quando exercia o cargo de relações-públicas de J. Macêdo, sob a chefia do inesquecível Américo Barreira, formei o time da empresa e jogávamos nos subúrbios, eu quase sempre de beque central, mas, às vezes, goleiro. Fizemos até uma excursão ao Aracati. Tínhamos, pelo menos, um grande craque, o Azevedo, que descia para ajudar a defesa.

Jamais te esquecerei

Eu ainda morava em Fortaleza, quando um portador baixou na Caio Cid e me entregou um óleo do Di Cavalcanti, que eu jamais sonhava possuir.

amais te esquecerei

Bar do Copacabana Palace, aonde ia todas as tardes, para encontrar a turma do Bety (Holandino Rocha, repórter de O Cruzeiro, tio do ministro César Asfor), onde predominava outro cearense, o Sérgio Petezoni, neto do abolicionista Alfredo Salgado. Cada um que saía deixava o dinheiro do que tinha consumido debaixo do copo. Eu quase sempre ficava por último e então pedia a conta. Nunca faltou um tostão.