Estórias com E

O Rei da Pimenta Malagueta, Nereu Aguiar, é bisneto do lendário coronel Zegentil e neto de Belisa, dizem que filha favorita da Primeira-Dama do Benfica, dona Melinha Frota. Entre outras vantagens nutritivas, Nereu desmente que o picante alimento possa ofender o fígado, a não ser que sorvido exageradamente.

Estórias com E

Os Bloch, criadores da extinta revista Manchete, tinham chegado ao Brasil procedentes de miseráveis regiões da Ucrânia. Não sabiam nem se comportar à mesa, inclusive, um deles, Boris Bloch, dispensava o uso de talheres, usando apenas as mãos.

Estórias com E

Dona Olga Barroso foi quem conseguiu, com famoso Sérgio Bernardes, que um dos maiores arquitetos do Brasil traçasse o Palácio da Abolição, o que ele acabou fazendo, porém o resultado, ainda hoje, é discutível, se foi feliz, ou nem tanto.

Estórias com E

Meu amigo Raul Carneiro e eu cortávamos o cabelo no mesmo salão e, após passar por um AVC, uma tarde ele me disse: “Desta vez, será mesmo o meu fim.” Não o deixei continuar, acentuando: “Raul, quem tem a história que você tem para contar não pode se expressar assim.” E ele: “Você sempre fala nesse assunto, que eu nem sei se realmente aconteceu.”

Estórias com E

Embora completamente verdadeira, a frase que o jornalista cearense Luiz Edgar de Andrade espalhou pelo país inteiro, “o Brasil não é um país sério”, jamais foi dita pelo presidente da França, general De Gaulle, na verdade, partiu, e o repórter confundiu, do embaixador do Brasil em Paris, Sérgio Correia.

Estórias com E

Senhora da sociedade levou uma chapa para o médico e explicou: “Tenho a melhor cozinheira do mundo, que me apareceu agora com uma tosse.” Após botar material no tira-teima, o doutor foi dogmático: “Pode arranjar outra cozinheira.” Acontece que era dela, a dona da casa.

Histórias com E

E tem aquela da nova rica que contava as desventuras do marido, que tentara, sem êxito, ajeitar a vida do sobrinho: Ele fez tudo, mas como era um caso sem jeito, depois lavou as mãos como os pilotos.

Estórias com E

Meu saudoso colega Ibrahim Sued passou a vida toda se gabando de ter cunhado a expressão “Depois eu conto”. Só que não foi ele, e sim meu maior inspirador na carreira, Jacinto de Thormes.

Estórias com E

Um religioso, pouco familiarizado com as regras da etiqueta, chegou em localidade francesa para assumir a Abadia. E foi imediatamente recepcionado pelo maior fazendeiro da região com um lauto almoço. Quando apareceu a tigelinha do lavabo, ele pensou que fosse uma bebida ou talvez uma sopa e tomou. Então, o anfitrião e todos os demais convivas, inclusive o Prefeito, o imitaram, pois em nenhuma circunstância se pode deixar mal o convidado de honra.

Estórias com E

O Ideal teve três fases fechadas. A primeira, na inauguração, em 1931, com 12 sócios-proprietários; a segunda, quando inaugurou a sede da Monsenhor Tabosa, quando eram apenas seis; e a terceira, dos 250, que encerrou em 64, com a democratização empreendida pelo Gustavo Silva, que transformou uma ação em três, a fim de fazer caixa e enfrentar as reformas urgentes necessárias.