Histórias com E

E tem aquela da nova rica que contava as desventuras do marido, que tentara, sem êxito, ajeitar a vida do sobrinho: Ele fez tudo, mas como era um caso sem jeito, depois lavou as mãos como os pilotos.

Estórias com E

Meu saudoso colega Ibrahim Sued passou a vida toda se gabando de ter cunhado a expressão “Depois eu conto”. Só que não foi ele, e sim meu maior inspirador na carreira, Jacinto de Thormes.

Estórias com E

Um religioso, pouco familiarizado com as regras da etiqueta, chegou em localidade francesa para assumir a Abadia. E foi imediatamente recepcionado pelo maior fazendeiro da região com um lauto almoço. Quando apareceu a tigelinha do lavabo, ele pensou que fosse uma bebida ou talvez uma sopa e tomou. Então, o anfitrião e todos os demais convivas, inclusive o Prefeito, o imitaram, pois em nenhuma circunstância se pode deixar mal o convidado de honra.

Estórias com E

O Ideal teve três fases fechadas. A primeira, na inauguração, em 1931, com 12 sócios-proprietários; a segunda, quando inaugurou a sede da Monsenhor Tabosa, quando eram apenas seis; e a terceira, dos 250, que encerrou em 64, com a democratização empreendida pelo Gustavo Silva, que transformou uma ação em três, a fim de fazer caixa e enfrentar as reformas urgentes necessárias.

Estórias com E

Vinicius de Moraes deu em cima da irmã de Ronaldo Boscoli, a quem não conhecia. Caminhando uma tarde pela Avenida Atlântida, Boscoli divisou o pretendente dentro de um táxi, num sinal. Pôs a cabeça pra dentro: Desça para apanhar. O poeta repicou: Suba para conversar. Vinicius casou com Lita, porém, então, havia nascido uma das maiores amizades da Música Popular Brasileira.

Estórias com E

A mando de seu amigo Hermenegildo Sá Cavalcante, que tocava no Rio Editora Record, dona Ilka Carneiro traduziu do francês Lawrence da Arabia. Um dia liguei pra ela, perguntando se era verdade que o protagonista era gay, recebendo a seguinte resposta: Olha aqui, Lúcio, eu entendo um pouco de francês e nada de gay.

Estórias com E

Helena Aguiar, mulher do dr. Ossian, foi a fundadora do Clube das Amigas do Livro, que foi aberto com um jantar em sua casa, na Santos Dumont, tendo como orador Eduardo Campos, meu Patrão Inesquecível. Aliás, eu estava lá, e fui um dos laureados com excelente estrogonofe servido.

Estórias com E

Jacinto de Thormes, que foi o grande inspirador deste repórter, revelou na revista O Cruzeiro que Emília Corrêa Lima lhe confessara ter rezado para não ser Miss Brasil. Abordei o assunto com a própria Emília, que desmentiu. Acontece que Jacinto seria incapaz de inventar, nem essa nem outras milongas.

Estórias com E

Nelson Rodrigues gostava de relatar o que ocorreu quando cidadão levou a mulher, que nunca tinha ido a um campo de futebol, pela primeira vez ao Maracanã, e ela estreou com a seguinte pergunta: Meu bem, quem é a bola?

Estórias com E

No Ideal dos 250, serviço não era bom, às vezes até estapafúrdio. Quer um exemplo? O repórter almoçava com Helena Jereissati, que pediu um palito ao garçom, chamado Barrão, que não perdeu tempo para demonstrar sua eficiência, como não usava paletó na ocasião, meteu a mão no bolso da camisa, por sinal, encardida, e atendeu prontamente a senhora solicitante, mão a mão.