Histórias do pasto

A famosa peixada da Beira Mar perdeu o charme, que consistia no seguinte: no final da tarde, as jangadas aportavam no Mucuripe, bem em frente aos restôs que a produziam. Traziam os pescados frescos, que iam direto pros camburões onde os esperava aquela salmoura com todos os temperos. Então, à noite, as cozinhas soltavam aquela delícia, o pirão, então, era um acontecimento. Pois bem, essa elaboração não existe mais.

Histórias do pasto

Fui eu que inaugurei o Panela, obra-prima de Chico Philomeno. Promovi uma noite de gravata preta, com a presença do melhor do melhor, inclusive o Rubens Costa, que, contra a sua vontade, estava deixando Banco do Nordeste, onde cumpria brilhante gestão, pelo BNH, numa imposição do grande presidente Médici, transmitida pelo poderoso ministro Delfim Netto.

Histórias do pasto

Melhor restaurante em Fortaleza, levando em conta apenas os que não existem mais, foi o Panela, do Iracema Plaza Hotel, obra-prima do meu particular amigo e hospedeiro Chico Philomeno. O Sandra's, sobretudo na fase da praia, foi bem, mas a Sandra era cozinheira de receita, não era muito criativa, e a melhor coisa que dela provei foi uma carne de sol, que preparou, aí, já nas Dunas, para o grande Zózimo Barrozo do Amaral. O Panela era um bistrô tipo parisiense, em seus anos iniciais, com apenas 28 lugares e fazendo fila nos fins de semana.