Hora de coquetel

O gim, para ser devidamente apreciado, tem de ser tomado sob muito sol, de preferência num barco, al mare, e terá que ser sempre um longo-drinque, tendo, sobretudo, água tônica de complemento.

Hora de coquetel

Face à canícula nordestina, uísque torna-se impossível de dia pras bandas de cá. O dito precioso líquido escocês fica então para o final da tarde e noite adentro.

Pausa para Baco

Chama-se Alasca o coquetel que leva 2/3 de gim, 1/3 de chartreuse verde e uma gota de orange bitters, que, sendo muito difícil de encontrar, pode ser substituído por angostura.

Hora de coquetel

Mint Julep é uma mistura muito apreciada, que se forma assim: Amassar duas folhas de hortelã no fundo de um copo sem pé. Enchê-lo com gelo picado, no meio do qual se põe um galho de hortelã. Completar até a boca com uísque escocês e salpicar uma pequena quantidade de açúcar sobre o gelo.

Hora de coquetel

Diana: Em um cálice cheio de gelo picado, despejar ¾ de creme de menta e ¼ de conhaque (receita do mestre Marcelino de Carvalho).

Hora de coquetel

Clare: Misturar uma metade de gim, uma metade de vermute, preferencialmente italiano, e uma gota de conhaque.

Hora de coquetel

Bronx: Misturar um terço de gim, um terço de vermute francês e um terço de suco de laranja. (Receita do mestre Marcelino de Carvalho)

Hora de coquetel

Bacardi: Meia colherinha de açúcar, o suco de uma lima, um cálice de rum e uma gota de grenadina. (By Marcelino de Carvalho)

Hora do coquetel

Alexander: Um terço de gim, um terço de creme de cacau, um terço de creme de leite.

Hora de coquetel

Champagne: Molhar, com gotas de Angostura, um torrão de açúcar e despejar sobre ele, já no copo, o espumante seco, pode ser nacional, porém, obrigatoriamente, seco.