Laboratório

“Xadrez da Vida” foi como minha coluna denominou o empresário Luiz Gentil, que foi campeão e teve que enfrentar uma das pernas bastante desigual, fruto de paralisia motivada por injeção aplicada, por médico de renomada, em local indevido.

Laboratório

Para Margarida Borges, querida amiga e que tem certa ligação com o clã do Barão de Camocim, criei esta expressão, face seu comportamento fidalgo: A Delegada Que Só Prende Por Amor.

Laboratório

“Doze das Damas”, para os fundadores do Ideal Clube, Pedro Sampaio, Antônio e João Gentil, Meton Gadelha, Clóvis de Alencar Matos, José Meneleu, Raul Conrado Cabral, Joaquim Markan, Maximiano Leite Barbosa, Otávio Frota, Mirtil Meyer e Luiz Gonzaga da Silva, dono do sítio que tinha um tanque que foi a primeira piscina da entidade.

Laboratório

“Clínica da Justa Visão”, para aquela operada pelo dr. Valter e seus três filhos, que realizam primoroso trabalho para vasta e selecionada clientela.

Laboratório

O grande Nelson Rodrigues tacha de “Padre de Passeata” aqueles que procuravam se envolver com os protestos das ruas, aí então este repórter bolou “Padre de Sacristia”, para dizer dos sacerdotes que se deixam ficar na igreja, dando pouca ou nenhuma pelota para os problemas sociais.

Laboratório

“Indispensável” é minha palavra escolhida para alcunhar o desembargador Zezé Câmara, que, sem fazer qualquer esforço, estimula a roda.

Laboratório

Enquanto “mala” serve para nomear a pessoa pesada, o convidado desagradável, o convivente difícil, “valise” envolve exatamente o contrário, aquele que é sempre bem-vindo e incapaz de trazer pra roda temas cacetes.

Laboratório

Minha coluna, que já ultrapassou 60 de vida, estabeleceu chamar de “Doze das Damas” os fundadores do Ideal, que começou no bairro em questão, estando a caminho do centenário. Na realidade, os iniciadores logo passaram pra 13, pois Clóvis de Alencar Matos, três meses depois da inauguração, foi eleito presidente (me parece) do Iracema e passou sua cota para o primo Fernando de Alencar Pinto, figura importantíssima na construção da sede das Monsenhores e muito injustamente esquecido.

Laboratório

Entre as tantas inventivas deste repórter, incluo “Arroz Amargo”, para definir aquela refeição em que os convidados condenam a comida.

Laboratório

“A Delegada Que Só Prende Por Amor”, se pusermos a modéstia de lado, foi uma das mais primorosas criações deste repórter, em sua coluna de O POVO. Trata-se, no caso, da Margarida Borges.