Golpe de mestre

A palavra “malcriado” se escreve assim, junto. Portanto, grafar “mal-criado” não está correto.

Golpe de mestre

O adjetivo “pudico” provém do latim “prudicu”, para determinar alguém muito reservado e casto. Trata-se de uma palavra grave, ou seja, com acento tônico na penúltima sílaba, daí não levar acento, graficamente.

Golpe de mestre

“Caibo” é a primeira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo “caber”. Exemplo: Engordei, por isso já não caibo neste vestido.

Golpe de mestre

A gente escreve “comboio” assim, sem acento, pois, com o Acordo Ortográfico Brasil-Portugal de 1990, as palavras graves envolvendo o ditongo “oi” não levam acento, tais boia, joia, heroico e paranoico.

Golpe de mestre

“Posar” e “pousar” são coisas distintas. “Posar” é quando o modelo “posa” para uma fotografia; e “pousar”, quando uma mosca “pousa” na sopa.

Golpe de mestre

“Malifício” está completamente errado. A forma correta é “malefício”, porque provém do latim “maleficiu”.

Golpe de mestre

O adjetivo “malcomportado” se escreve aglutinadamente, já “bem-comportado” se põe assim, com hífen.

Golpe de mestre

Diga sempre “meteorologia”, e jamais “metereologia”. Exemplo: Segundo a meteorologia, vai chover bastante neste mês de março.

Golpe de mestre

“Informá-lo de que”, essa é a forma correta. Exemplo: “Vim para informá-lo de que”. Se você tira a preposição “de”, está errado.

Golpe de mestre

“Dói-me os dentes” não está correto. Para ser escorreito na língua, tem de pôr “Doem-me os dentes”.