Mestre-escola

Em carta, pode-se usar a segunda ou terceira pessoa, “tu”, na intimidade maior, e “você”, quando não é tanta. O que não pode é começar por “tu” e terminar com “você”, ou vice-versa.

Mestre-escola

“Com… com” não soa bem. Então, em vez de “viajei com companheiros”, prefira dizer que viajou com amigos.

Mestre escola

Não é escorreito usar dois verbos no plural na mesma frase, assim, em vez de “decidiram alugar um carro para poderem visitar a cidade”, o bom português indica “decidiram alugar um carro para poder visitar a cidade”.

Mestre escola

A palavra “gorjeta” se escreve com “J” na penúltima sílaba, pois provém do nome “gorja”, designação da bebida a quem tivesse prestado algum serviço.

Golpe de mestre

Se dizer “açoreano” com “E” não é correto, pois a palavra deve ser escrita com “I”.

Golpe de mestre

“Aonde estás?” O correto, entretanto, é “onde estás”, pois o advérbio “aonde” significa “para que lugar se vai”, enquanto “onde” quer dizer “em que lugar”.

Golpe de mestre

“Faz-se unhas” não existe no português correto, que estipula “Fazem-se unhas” o mais certo, pois o “se” não pode ser sujeito.

Mestre-escola

Wit é a palavra inglesa que significa aquele que é considerado um bom conversador, e como tal, recebido com alegria em tudo que é roda. A propósito, dizem que eu sou, mas prefiro achar que há dias, graças a Deus, a maioria, que eu realmente sou.

Golpe de mestre

Quando você não quer admitir abertamente sua opinião contrária a alguma questão ventilada na roda, recomenda-se sair pela tangente, ressaltando, “nada contra, pessoalmente”.

Golpe de mestre

Não sei se faz parte dos dicionários, porém, existe o verbo louvaminhar, significando elogio, apressar o reconhecimento cedo demais.