Golpe de mestre

“Faz-se unhas” não existe no português correto, que estipula “Fazem-se unhas” o mais certo, pois o “se” não pode ser sujeito.

Mestre-escola

Wit é a palavra inglesa que significa aquele que é considerado um bom conversador, e como tal, recebido com alegria em tudo que é roda. A propósito, dizem que eu sou, mas prefiro achar que há dias, graças a Deus, a maioria, que eu realmente sou.

Golpe de mestre

Quando você não quer admitir abertamente sua opinião contrária a alguma questão ventilada na roda, recomenda-se sair pela tangente, ressaltando, “nada contra, pessoalmente”.

Golpe de mestre

Não sei se faz parte dos dicionários, porém, existe o verbo louvaminhar, significando elogio, apressar o reconhecimento cedo demais.

Mestre escola

Existe na língua portuguesa palavra pouco usada e que deve ser aplicada a quem é bom de cabeça. Trata-se de cerebrino, quer dizer, talento à beça.

Mestre escola

Em carta, pode-se usar a segunda ou terceira pessoa, “tu”, na intimidade maior, e “você”, quando não é tanta. O que não pode é começar por “tu” e terminar com “você”, ou vice-versa.

Mestre escola

Boca de siri será sempre bem mais aceitável do que saltar frases feitas, tal “muito obrigado pela parte que me toca” ou “pra morrer, só precisa estar vivo” ou ainda “filho de peixe peixinho é”.

Mestre escola

“Entrega ‘à’ domicílio” ou “entrega ‘em’ domicílio”? Faça sua opção por “Entregar ‘em’ domicílio” e não “’à’ domicílio.

Mestre escola

A expressão “Eu acho” deve ser evitada, pelo fundo muito imperioso, ao invés, diga “Eu penso”, ou “Me parece”, antes de estabelecer sua opinião sobre o assunto em voga.

Mestre escola

Se você proclama “Nós ontem fomos ao cinema, Alice, Marta, Antônio e eu”, nesse caso aí, o “eu” é perfeitamente dispensável, pois quem fala já está envolvido no “nós”.