Mestre-escola

A expressão “logo quem” tem quase sempre sentido pejorativo e deve ser evitada nas conversações.

Mestre-escola

“Eu vou à Itália”, com A craseado, porém “Eu vou a Roma”, o A não leva crase, porque não se diz “A Roma é uma bela cidade”, todavia se diz “A Itália é um belo país”.

Mestre-escola

Os dois são corretos, mas entre “janta” e “jantar”, prefiro “janta”, que é mais raro de a gente ouvir.

Golpe de mestre

Prefira usar “austero” e não “sério”, pois pode insinuar que a pessoa não ri nem do Chico Anysio.

Mestre-escola

Melhor usar “alhures” do que “fora”, pois esse último termo tem também o sentido pejorativo de expulsão.

Mestre-escola

“Melhor do que pedi a Deus” soa mais convincentemente aquilo que você quer dizer do que “tá tudo azul, com bolinhas brancas”.

Mestre-escola

Se você terá de usar “aguardar” ou “esperar”, prefira sempre o primeiro verbo, pois o segundo implica no desconforto de uma maior demora.

Golpe de mestre

Atualmente muito pouco usado na linguagem corriqueira, quando se diz “Vida de Nababo” significa que o cidadão leva uma existência opulenta, muito bem dotada de recursos, que ensejam que ele more bem, se vista bem, coma e beba bem.

Golpe de mestre

“Senhora” pede o nome da família ou do marido, por exemplo, Sra. Barros ou Sra. João de Barros, enquanto “Dona” deve ser seguido pelo nome de batismo, Dona Amélia.

Golpe de mestre

Nunca se deve começar uma frase com o verbo “Achar”, “Eu Acho...”, pois fica muito imperativo, preferindo “Eu Penso...”, “Eu Considero...” ou “Eu Suponho...”.