Orgulhosidades

Não ter medo de nada nem de ninguém, porém, como apregoava Virgílio Távora, receio.

Orgulhosidades

Admirar muita gente, porém não ter inveja de ninguém.

Orgulhosidades

Até hoje, não ter tomado nenhuma pílula para dormir, sequer um simples Valium.

Orgulho

De jamais ter falhado a coluna. Se deixou de sair, e foram raras, foi problema do jornal. Cheguei até a ditar com dois médicos à cabeceira, no meu quarto do Iracema Plaza.

Orgulhos

Apesar de ter frequentado as mais seletas rodas de carteado, inclusive o pife-pafe da Lurdes Gentil e a mesa mais cara do Ideal, nunca ter ficado devendo, embora jamais tenha sido considerado um ganhador.

Grande

Momentão em minha vida foi quando lancei meu primeiro livro, “Até agora...”, no Náutico Atlético Cearense, batendo todos os recordes de autógrafos. Obtive também grandes públicos nos seguintes, “Assim Falava Paco”, no Ideal, “Pela Sociedade”, Iate, “Longe de Dizer Adeus”, Country, e “500 Contos de Reis”, Estoril. Livro é minha Quarta Avenida.

Orgulhos

Um dos principais da minha ainda curta existência é não falar mal de pessoa alguma, nem mesmo do cão feito gente.