Sessão das quatro

Ingrid Bergman moveu todos os seus pauzinhos para ser a Maria de “Por Quem os Sinos Dobram”, uma das duas vezes que contracenou com Gary Cooper, ambas sem muito sucesso, e foi brilhar precisamente naquele filme que nunca a empolgou, “Casablanca”.

Sessão das quatro

Bruce Lee protagonizou três longas-metragens que lotaram durante anos os cinemas da Ásia, “Conexão Chinesa”, “Fists of Fury” e “Enter the Dragon”.

Sessão das quatro

Ingrid Bergman começou nos Estados Unidos muito bem, mas a seguir trabalhou em películas que não emplacaram, tais “Os Quatro Filhos de Adão” e “Fúria no Céu”, que foram filmes inexpressivos, de que ninguém se lembra.

Sessão das quatro

Escalados “Casablanca”, “O Terceiro Homem”, “A Carta”, “Rebeca”, vamos fechar o quinteto de ouro dos meus filmes favoritos com “A Um Passo da Eternidade”, Debora Kerr, Burt Lancaster e Montgomery Clift, cujo Oscar não recebido foi uma das maiores injustiças da Academia de Hollywood. Entretanto, dois coadjuvantes ganharam a estatueta, ambos merecidamente, Donna Reed e, sobretudo, Frank Sinatra, que, no papel do sargento Maggio, salvou sua carreira de ator e sua própria vida.

Sessão das quatro

Na lista das minhas melhores fitas, aparecem “Casablanca”, “O Terceiro Homem”, “A Carta”, vindo em quarto “Rebeca”, onde os coadjuvantes George Sanders e Judith Anderson derrubam os protagonistas Joan Fontaine e Lawrence Olivier.

Sessão das quatro

Após citar “Casablanca” em primeiro e “O Terceiro Homem” em segundo, minha relação dos melhores filmes é engrandecida por “A Carta”, quando Bette Davis, dirigida por William Wyller, perpetrou seu melhor desempenho no cinema.

Sessão das quatro

Tá bem, tá bem, concordo plenamente, “Casablanca” foi para mim o filme número um. E o segundo? “O Terceiro Homem”, inglês, em que Orson Wells, em dez minutos, interpretou por hora e meia.

Sessão das quatro

Montgomery Clift, apesar da soberba atuação, não ganhou o Oscar por “A Um Passo da Eternidade”. Isso porque a Academia de Hollywood não definiu sua condição, se ator principal ou coadjuvante. Como principal, entrou Burt Lancaster, que também não ganhou.

Sessão da tarde

Clark Gable botava abaixo o coração de todas as mulheres do mundo, pois além de galã, viril, macho pra valer, só que ruim de beijo, pois dotado de halitose, o indesejável mau hálito.

Final infeliz

Quando se despediu de Hollywood e foi viver na Europa, com Rosselini, último filme de Ingrid Bergman na meca do cinema resultou em completo fiasco, “Sob o Signo de Capricórnio”, com Joseph Cotten, pouca gente viu, e quem viu não gostou.