Vesperal das moças

A diferença entre estes dois monstros sagrados do cinema, Bette Davis e Ingrid Bergman, é que, enquanto a americana era uma estrela, a sueca se contentava em ser apenas atriz.

Vesperal das moças

O filme Gilda, que levou Rita Hayworth ao estrelato, anunciada em cartaz que dizia “Jamais Haverá no Mundo Outra Mulher Como Gilda”. Em geral, os críticos estão longe de colocar essa película entre as maiores, mas o sucesso foi grandioso, sobretudo a cena do strip-tease, que consistia apenas em a atriz tirando uma luva enorme e deixando o braço nu.

Vesperal das moças

Em seus gloriosos primeiros tempos, o Cine São Luiz, então o melhor do Brasil, exigia paletó. Ainda assim, depois do almoço, Flávio Marcílio, fugindo do barulho das crianças, ia dormir no cinema, dotado de ar-condicionado.

Vesperal das moças

A sessão chic do extinto e eternamente saudoso Cine Diogo acontecia após a praia, às cinco horas do domingo. Ali estava toda a classe média, inclusive a dita B1, que era (é) a alta.

Vesperal das moças

Fortaleza teve um cinema, São José, nos Círculos Operários da Praça do Cristo Redentor, que por sinal agora está sendo reformada, o diferente é que os namorados se apartavam na calçada, ela entrando pra esquerda, e ele pra direita, ficando, portanto, separados, durante o filme.

Vesperal das moças

Nos meus primeiros anos de crônica, estou falando nos 50 e início dos 60, alguns clubes proporcionavam sessão de cinema: o Líbano, às segundas; o Náutico, às quartas, embora não tenha certeza; e o Ideal, às quintas, para adultos, e aos domingos, para crianças. Não havia conforto, mas os filmes eram quase sempre bons.

Vesperal das moças

Considerada atriz mais provocante do cinema, perguntaram a Marilyn Monroe o que ela vestia para dormir, só para ouvirem a resposta: Ora, Chanel número 5.

Vesperal das moças

A Barão de Studart teve um cinema, o Ventura, e ficava na esquina da Pinto Madeira ou Torres Câmara. Na primeira fase, fazia parte da Rede Severiano Ribeiro, depois voltou, propriedade, me parece, do próprio “seu” Júlio, todavia, durou pouco.

Vesperal das moças

O Cine Diogo, que reinou durante 18 anos como principal cinema da cidade, exigia o paletó, até quando o São Luiz foi inaugurado, e aí dispensou, iniciando penosa decadência.

Vesperal das moças

Quando o cinema era a melhor diversão, Otávio Bonfim chegou a ter duas exibidoras, na praça, o Cine Familiar, dos padres, que ainda hoje estão lá, e bem pertinho, por trás da Sumov, o Cine Nazaré.