Assunto pessoal

Além de Fortaleza não me fazer mais prazer, pela maledicência reinante, sobretudo, da classe média para cima, tem também o fato de este repórter não frequentar restaurante que os garçons não usem luvas e pegam nos pratos e talheres de mãos nuas.

Assunto pessoal

Antes que eu me arrependa da graça, infelizmente jamais me arrependerei, devo martelar que a razão capital que me fez romper com Fortaleza foi a língua de trapo dessa cidade medonha, onde as pessoas só sabem e só visam derrubar os outros.

Assunto pessoal

Essa questão já foi aqui mencionada, mas é pertinente que seja martelada. Não sei fazer uma refeição em companhia de quem olha pro relógio, porque simplesmente tira qualquer apetite que eu possa ter.

Assunto pessoal

Festejar aniversário até que pode ser aceitável. Agora, lascativos são os parabéns, pois não é pertinente congratular quem está ficando mais velho e, portanto, se aproximando da morte inevitável.

Assunto pessoal

Não aprecio estender minha mão, pois acho que o que transmite suor não é higiênico. Minha opção é um abraço de leve ou palmadinha no ombro ou pescoço. Ou melhor ainda, um aceno de cabeça.

Orgulhos

Da minha boca não sai notícia ruim, nem falo mal de ninguém, procedimento que tomei do meu saudoso amigo e hospedeiro Chico Philomeno, que era irrepreensível.

Orgulhos

Nunca ter saído de nenhuma empresa, e trabalhei em quase todas, atirando. Entrei calado e saí em silêncio.

O pai da criação

“Bisturi Afiado” foi como passei a denominar o cirurgião Glauco Lobo, cujo pai era psiquiatra.

Assunto pessoal

Fazem-me um grande mal o falso humilde e aquele que quando dá notícia ruim posa de triste, quando, por dentro, está prenhe de alegria, sobretudo quando se trata de falência ou separação conjugal.

Assunto pessoal

Elogio é tão bom que, mesmo sendo falso ou não correspondendo à verdade, amacia o ego, pois faz bem ao espírito.