Golpe de mestre

Opção é uma só, portanto está errado se dizer “hoje tenho duas opções, cinema ou teatro”.

Golpe de mestre

Segundo o prof. Myrson Lima, o adjetivo “ebúrneo” significa “de marfim” ou, mais precisamente, “alvo e liso”.

Golpe de mestre

O “a”, na frase “Vou a Roma”, não leva crase, porque você nunca diz “A Roma é uma bela cidade”. Porém, o “a”, na frase “Vou à Itália”, apanha crase, porque a gente diz “A Itália é um belo país”.

Golpe de Mestre

Segundo o Prof. Sérgio Rodrigues, Vinicius de Moraes errou em seus famosos versos Que não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure, pondo posto que de conjunção explicativa, contrariando a gramática tradicional.

Golpe de Mestre

De Sérgio Rodrigues: o advérbio absolutamente não nega sempre, pois tem a ambiguidade de sentido, quando isolado pode significar também totalmente e inteiramente.

Golpe de mestre

Do professor Sérgio Rodrigues: Quite é o particípio irregular do verbo quitar. Significa quitado, isto é, livre de dívida, de obrigação, e ainda, que se satisfez. Quitar existe em português desde o século XIII e deriva do latim clássico quietare, ou seja, aquietar.

Golpe de mestre

Do professor Myrson Lima: Existem os verbos “mungir” e “mugir”. O leite ordenhado do peito da vaca é “mungido”, enquanto “mugir” é soltar mugidos, sons emitidos pela boiada. Exemplo: De longe, escutava-se o “mugir” das vacas leiteiras.

Golpe de mestre

No manual vernacular elaborado pelo prof. Myrson Lima, apurei que não se pronuncia a letra U no verbo “distinguir”.

Golpe de mestre

Roma não leva crase, porque não se diz “a Roma é uma bela cidade”, porém Itália leva, pois se usa “a Itália é um belo país”.

Golpe de mestre

“Podesse” simplesmente não existe, forma correta é “pudesse”, forma verbal que corresponde à primeira ou terceira pessoa do pretérito imperfeito de “poder”.