O céu da torre

Dom Jerônimo de Sá Cavalcante, cuja missa de domingo à tarde, em Salvador, enchia a igreja só de jovens, foi alguma das personalidades do Clero que subiram ao meu apartamento no Iracema Plaza, tendo sido levado por seu irmão caçula e amigo Hermenegildo.

Boas entradas

Se você encontra um amigo na rua que não vê faz muito, e ele logo lamenta esse fato, será bem mister reagir assim: Prejuízo meu!

Momentão

A primeira grande ocorrência da minha vida, além do nascimento na Aurora, foi meu ingresso na Gazeta, pelas mãos de Luiz Campos, tendo a primeira coluna sido publicada num sábado 14 de agosto de 1955, só que foi escrita na sexta 13.

Momentos são

De passagem pra China, me hospedaram no New Otani de Tóquio, do qual se dizia, na ocasião, o maior do mundo. Foi, sem dúvida, a ocorrência inesquecível fora do país.

Grandes momentos

Eu estava entre os milhares, no Camp Nou do Barcelona, quando estreou Romário, e prestei toda atenção nos três gols que marcou, cada qual entre boa e maravilhosa feitura.

Bate-papo na praça

Posso apontar, entre todos que hei batido, aquele de um domingo 6 de setembro, na Prainha, ainda na fase pré Paulo Afonso, tendo tomado parte Otacílio Colares, Nertan Macêdo, Lustosa da Costa e Milton Moraes Correia, que era o anfitrião, na casa bem ribeirinha, que, faz muito, não existe mais.

Homem-show

Claro que trouxe a Divina Elisete Cardoso ao Ceará, e apresentei no Centro de Convenções, em noite magnífica. Infelizmente, não estava aqui Elano de Paula, que foi o compositor de Canção de Amor, que a consagrou, tendo Chocolate de parceiro musical.

Homem-show

Este repórter é quem primeiro trouxe ao Ceará João Gilberto, o Papa da Bossa Nova, que apresentei em noitada do Country Club, para a qual chamei meus amigos da alta sociedade.

Tocante

Nélia e Edson Queiroz me ofereceram um jantar em seu palacete, tendo Yolanda me recebido na escadaria frontal com estas palavras: Estou tão gripada, que nem vou poder lhe dar a mão, porém quero lhe dizer que vim por você, pois filho tenho a toda hora.

Fundador

Estive no cerne do Volares, que tanto marcou o Ideal no final dos anos 50 e começo dos 60. Comigo estavam alguns que já partiram, tais Brétis de Castro, João Gualberto, Carlito Pontes, Adriano Martins, e os que estão aqui conosco, Maurício Medeiros e Celso Coelho, um sobrinho da maior coluna x do Náutico, Pedro Coelho.