São Pedro da Ajuda

Grande empresário Audísio Pinheiro nunca me deixou na mão. Quando morava no Rio e eu o procurava, me convidava pro café, no dia seguinte, no Morro da Viúva, de onde eu sempre saía com algum mantenedor.

São Pedro da Ajuda

Péricles Moreira Rocha, o Pekim, muitas vezes me forrou, no Ideal, para que eu pudesse pegar nas cartas, me dando capilés, que é a gorjeta dos cassinos.

Nacional

Nessa carreira, que me parece ainda curta, maior furo, dado em 1963, ainda está por conta da notícia que dei, em O POVO, sobre a ida do deputado Expedito Machado para o Ministério de Viação e Obras Públicas, tão forte, que depois virou cinco. Nesse caso, simplesmente, este repórter furou toda a imprensa brasileira, inclusive O Globo, do Rio, e O Estado de S. Paulo.

Confidencial

Meu amigo José Humberto Gondim foi o maior ganhador que o Cassino do Ideal já teve. Num jogo que durou dois dias e duas noites, faturou 800 mil, tanto dinheiro, que nem apareceu mais nas Pernambucanas, onde trabalhava no balcão, para pedir as contas e, na certa, levar algum. Chegou a fazer parte da roda do Jockey Club do Rio, tendo sido parceiro de Artur Bernardes, filho de Presidente da República e futuro ministro. Porém, José Humberto são soube aplicar, e terminou mal de vida, como empregado do mesmo cassino onde foi rei por algum tempo.

Conexão internacional

Quando Ibrahim Sued e Jacinto de Thormes empalmavam a liderança do colunismo social no Rio, a revista Time, se reportando sobre a refrega entre os dois, estabeleceu que “Jacinto de Thormes, sim, é gente bem, porém Ibrahim entrou pela porta da cozinha”.

Na telinha

Quando levei a Martha Rocha para o meu programa da Jangadeiro. Aliás, o verbo aí está mal-empregado. Na realidade, não entrevistei a Miss Brasil no set do Canal 12, mas sim na loja que Emília Patrício e Francisco Campelo mantinham na Padre Antônio Tomás. O resultado foi altamente positivo, um dos meus melhores momentos na televisão.

Black-tie

Um dos meus mais tocantes foi o que me ofereceram irmão civil Luís Frota e sua gaúcha mulher Lorena, que deram um jantar a rigor, na Rua Caio Cid, quase defronte a meu estúdio, onde, na época, pernoitava. Na ocasião, foi distribuído um pequeno jornal, editado por meu irmão Neno, trazendo protagonista iniciando a vida, nos braços de minha mãe, Nair.

Especificações

Nertan Macêdo considerava Carlos Jereissati, com quem conviveu na Câmara, ainda no Rio, um grande líder. Outras admirações no campo da imprensa do fundador do PTB no Ceará foram Felizardo Mont’Alverne, o Bichão, e Lustosa da Costa, que por sinal foi quem armou a famosa entrevista na televisão de canal único, e a pergunta que aumentou seu cacife em Fortaleza: “É verdade que o senhor é empreguista?” “Bem, eu dou emprego no meu. Agora, quando não posso mais, dou do Estado, mas posso garantir a vocês que se for eleito senador, nenhum cearense necessitado que me procurar ficará desempregado.”

Jamais esquecerei

A festa de 15 anos de Cláudia Martins foi a única vez que entrei de penetra em minha carreira. Aconteceu em casa de seus pais, Cláudio e Irene, na Rua José Lourenço, pedindo paletó e gravata. Para ingressar, usei Gerard Boris, filho do cônsul de França, que conhecera, dias antes, no Náutico.

Jamais esquecerei

Minha amiga Lurdes Gentil, de cigarro aceso no canto da boca, e em vestido de baile, portando uma enorme caixa de presente, entrando em casa de Paulo Mattei, na Jurema, para o segundo, e para muitos, o maior, Gala dos Solteiros.