Em cima da bucha

Tereza de Souza Campos, que era a mulher mais elegante do Brasil e morreu Princesa de Orleans e Bragança, quando perguntada pela revista “Manchete” como havia saído da lista das Dez Mais, respondeu: Como entrei, em silêncio.

Na retina

Antes de ser colunista, guardei o flagrante do José Maria Vidal, irmão da Yolanda Queiroz, dançando no Maguari com uma das filhas do Irajá Vasconcelos, que era o dono da Ceará Chic.

Na retina

No amanhecer de primeiro de janeiro de um Réveillon no Ideal, terminamos em Messejana, em casa de Leônia e Deusimar Lins, e então guardei a imagem de Ivone Gentil subindo em pé de manga, com sua sobrinha Sandra.

Versos na torre

A cobertura do Iracema Plaza, primeira do Ceará, fora o rebuliço mundano, teve também sua hora de letras, quando Cláudio Martins, num começo de noite, autografou livro de poesias, que muitos amigos prestigiaram, inclusive saudoso Zequinha Bachá.

Versos na torre

A cobertura do Iracema Plaza, primeira do Ceará, fora o rebuliço mundano, teve também sua hora de letras, quando Cláudio Martins, num começo de noite, autografou livro de poesias, que muitos amigos prestigiaram, inclusive saudoso Zequinha Bachá.

Mimo

Primeiro presente pra valer que recebi foi da Lurdes Gentil, que encomendou doze camisas sob medida no grande Álvaro Maia, certamente para que eu pudesse me apresentar melhor em sua roda de pife-pafe, a mais selecionada que já houve me Fortaleza.

Achado

No meu Minuto, Minutinho, Minutão, abordei os inicialmentes do Ideal, nas Damas, com doze fundadores, Pedro Sampaio, primeiro presidente, Antônio e João Gentil, José Meneleu, Nestor Leite Barbosa, Raul Conrado Cabral, Joaquim Markan, Mirtil Meyer, Meton Gadelha, Otávio Frota, Luiz Gonzaga da Silva, em casa de quem, nas Damas, o grupo se reunia, e Clóvis Alencar Matos, que, tendo sido eleito meses depois da inauguração presidente dos Diários, pediu dispensa e indicou pra seu lugar o primo Fernando Pinto. Assim, são treze os Doze das Damas, sendo que, com a construção da sede definitiva das Monsenhores, só seis permaneceram, tendo sido essa a fase mais fechada do clube, abrangendo de 1939 a 1953, quando foi vendido a 250 proprietários.

Assunto pessoal

Nos meus primórdios, compareci a um casamento vizinho de minha rua, levado por uma tia que tinha sido convidada. Ali, uma dama da melhor sociedade e tia da noiva, a quem fui apresentado na ocasião, disse que vez por outra dava um almoço e pensava me chamar, não o fazendo pelo fato de ser cronista social. Propiciou minha primeira resposta inteligente: A senhora estaria errada em me chamar pelo fato de eu ser cronista, entretanto muito mais errada em não me chamar pelo fato de eu ser, pois ser cronista social não é pecado.

Manhas

Quando lhe passavam uma nota que ele não queria publicar, saudoso e grandioso Zózimo Barrozo do Amaral dizia: “Vou colocar na cesta”, assim mesmo, com C, pois saudoso e grandioso colunista se referia, na verdade, à lata de lixo, e não ao dia da semana, fazendo o próprio solicitante aguardar em vão.

Dial

Depois da Uirapuru, que foi a primeira, trabalhei um tempo na Rádio Iracema. Lembro que quem me pagava era um cidadão chamado Baima, funcionário do Banco da Arquidiocese, que José Parente, junto irmão Flávio, era quem dirigia.