Gastronomia do cinema

Não posso comer. Ora, é sua obrigação moral comê-la, pois é uma pizza Marguerita de Napoli. (Tuva Novotny e Julia Roberts em “Comer, Rezar, Amar”)

Gastronomia do cinema

Nunca conheci ninguém cuja conversa fosse melhor do que um bom prato. (“Como Era Verde Meu Vale”, filme de John Ford, de 1941)

Gastronomia do cinema

Carne. Carne. Carne. Os animais são feitos de carne. Nós somos feitos de carne. Tudo faz parte do bifê do universo. (Gina Montana, em “Domada Sonhadora”)

Gastronomia do cinema

Beber é uma forma de se matar? Ou me matar é uma forma de beber? (Elizabeth Shue e Nicolas Cage, no filme “Despedida em Las Vegas”, de 1995)

Gastronomia do cinema

Sou única americana em Paris que gosta mais de comprar comida do que vestidos. (Meryl Streep, em “Julie & Julie”)

Gastronomia do cinema

O peixe deve cheirar a mar, não a peixe, pois, se cheirar a peixe, significa que não está fresco. (Ewan McGregor, um chef de cozinha em “Sentidos do Amor”, de 2011)

Gastronomia do cinema

Fugi de casa com um músico chamado Johnny. Foi horrível, a gente só brigava. Até que ele se suicidou, e acho, até hoje, que foi porque odiava minha comida. (Mira Sorvino, em “Poderosa Afrodite”, dirigida por Woody Allen)

Gastronomia do cinema

Um homem sábio diria: O perdão é divino, mas nunca pague preço alto por uma pizza atrasada. (Michelan Sisti, em “As Tartarugas Ninja”, filme de 1990)

Gastronomia do cinema

Não consigo imaginar o mundo sem limão. (Trine Dyrholm, em “Amor é Tudo Que Você Precisa”)

Gastronomia do cinema

(Com Mariza Gualano) Por que põe rodelas de ovo? Porque os ovos, segundo os judeus, são o símbolo da morte. (Phillipe Noiret e Ugo Tognazzi, em “A Comilança”, título original, “La Grande Bouffe”, filme de 1973)